“Tarde te amei…”

4bb7a5fc3af18f467dbd3491d2bf3ea4

Deus, que por Suas mãos sustenta todas as coisas e que por amor estamos aqui, graças damos ao Senhor. Com grande reverência suplicamos o entendimento Seu para nossas vidas, amém.

O dia de hoje me fora oportuno para uma coisa a qual chamou minha atenção pela veracidade de cada linha. “Oras, e do que se trata?” O livro Confissões de Agostinho de Hipona. Quando o conheci, reli diversas vezes alguns trechos enquanto todas estas vezes me iluminassem a mente para que, de forma direta e singela, penetrassem meu coração ao ponto de me levar a compreensão da infinita misericórdia do Senhor por nós. Te convido a ler o trecho – titulado de Solilóquio de amor, de Santo Agostinho, livro Confissões, um clássico que jamais se perderá no tempo – antes de prosseguirmos:

Tarde te amei, ó beleza tão antiga e tão nova, tarde te amei!

Eis que habitavas dentro de mim e eu te procurava do lado de fora!

Eu, disforme, lançava-me sobre as belas formas das tuas criaturas.

Estavas comigo, mas eu não estava contigo.

Retinham-me longe de ti as tuas criaturas, que não existiriam se em ti não existissem.

Tu me chamaste, e teu grito rompeu a minha surdez.

Brilhaste, e teu esplendor afugentou minha cegueira.

Exalaste teu perfume, respirei-o, e suspiro por ti.

Eu te saboreei, e agora tenho fome e sede de ti.

Tocaste-me, e o desejo de tua paz me inflama.

Em meu fraco entendimento vos trago estas palavras, as quais eu não saberia expressar de outra forma. Por muitas vezes – eu mesma cresci ouvindo isto – crêem que devemos aceitar a Deus, e se não o quisermos, Ele não fará parte de nossas vidas. Mas, ao analisarmos a suas Escrituras entendemos que assim como está descrito no Evangelho de João “não fostes vos que escolheste a mim, mas eu vos escolhi a vos”, Deus não é um menino órfão necessitando que alguém o queira, pois na verdade somos nós que devemos suplicar que o Senhor nos aceite, mesmo sendo falhos e miseráveis. Que bondade poderia Deus achar em nós para o oferecermos? Seriam nossas boas obras capazes de atrair a atenção do Senhor? Oras, de maneira alguma, porque se fossem, anularíamos a Salvação de Cristo que nos é dada pela Sua Graça imerecida:

“Deus nos salvou e nos chamou para sermos o seu povo. Não foi por causa do
que temos feito, mas porque este era o seu plano e por causa da sua graça. Ele
nos deu essa graça por meio de Cristo Jesus, antes da criação do mundo.”
2 Timóteo 1:9

Todos nós pecamos e destituídos fomos da Glória de Deus (Rm 3:23). O nosso ser é inclinado para o mal, à vista disso, não poderíamos por nossa própria vontade escolher o bem, e o Apóstolo Paulo deixa isso bem explícito em Romanos 7:12-25. O criador tem direito sobre sua criatura (Rm 9:20-21), sendo assim, é o Senhor que nos escolhe e nos toca com teu Espírito a fim de que reconheçamos sua voz e tenhamos comunhão com Ele. Eu segui por tempos em caminhos que me pareciam bons enquanto os anos passavam. Eu cria dentro de mim que conhecia a Deus só por ter nascido e crescido em uma lar cristão, mas assim como Jó relata sua experiência, “antes eu conhecia o Senhor somente de ouvir falar, mas hoje o conheço de andar com Ele” – e isto não significa que eu sou digna de passar pelo o que Jó passou, mas que pela bondade do Eterno tenho a oportunidade de aprender mais sobre Ele. Esse conhecimento nos torna cada vez mais consciente de nossa miserabilidade, nos colocamos a pensar “como este Deus poderia amar a nós?”. Com exuberante beleza fez todas as coisas da natureza em seus mínimos detalhes, assim como nós seres humanos e cada parte de nosso ser. Pensou no nosso deitar e nosso levantar porque o Senhor é o nosso pastor (Salmos 23), não por tudo que Ele pode nos fazer, mas por tudo que Ele é. Por tempos segui desejando conhecer ao meu Senhor e “tu me chamaste, e teu grito rompeu a minha surdez”. Tarde o amei, mas Deus que é soberano em Graça me permitiu conhecer o Seu amor. Que possamos orar constantemente ao Senhor pedindo que aprendamos a amá-lo acima de todas coisas porque Ele é amor, uma vez que, aquele que ama é nascido dele e somente podemos amá-lo agora porque Ele nos amou primeiro (I João 4:7-19).

“Feriste-me o coração com a Tua palavra e te amei”

S. A. Confissões, X, VI

Para finalizar, deixo aqui um convite a todos vocês a lerem as Confissões de Agostinho, pois a sabedoria de suas palavras foram, sem dúvidas alguma, inspiradas por Deus.

Recomendo também ouvir em canção Projeto Sola – Confissões.

Graça e paz a todos!

Por Jhennifer Souza | Feminilidade Coram Deo

Referências Bibliográficas

AGOSTINHO, S. Confissões. Monergismo, 2011. Disponível em: <http://monergismo.com/wp-content/uploads/confissoes-livro_Agostinho.pdf>.

____________. In: Confissões, X, XXVII: Solilóquio de amor. Monergismo, 2011, p. 105. Disponível em: <http://monergismo.com/wp-content/uploads/confissoes-livro_Agostinho.pdf>.

TOZER. A. W. Aceitar a Jesus. Mornegismo. Disponível em: <http://www.monergismo.com/textos/sotereologia/aceitar_tozer.htm>.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s